SOBRE RELACIONAMENTOS TÓXICOS

By Aline Silveira - 04:32:00

Deveria ser acrescentada na lei de Murphy que: Toda vez que tu te decidir tirar alguém da tua vida, esse alguém sentirá uma vontade louca de ser a pessoa mais mimosa do mundo. E no instante em que tu te decide voltar atrás, a ‘’filha da putisse’’ voltará proporcional ao mimo anterior e gradativamente aumentando conforme tu te prendes a essa relação.

Começo a pensar que liberamos alguma substância que alerta ao outro que estamos bem, felizes e tocando a vida... E essa substância deve causar uma coceira insuportável, pois a ação de nos impedir de dar uma guinada na vida é imediata. Não tem outra explicação, já que voltando tudo ao ‘’normal’’ as atitudes voltam às mesmas de antes. 

Você já parou para pensar naquela simples premissa sobre os direitos, de que o seu direito termina quando começa o do outro? Se todos analisassem isso antes da maioria das decisões, teríamos um mundo e relacionamentos melhores. Eu tenho direito de comer uma bala e por fora o papel, mas não no chão, pois no chão eu vou sujar a via que é de outras pessoas também; Eu tenho direito de falar o que eu quiser, mas certas coisas ofendem, então devo ponderar o que digo irresponsavelmente; Eu tenho direito de dar uns pegas numa mina ai sem compromisso, mas não quero que ela desapegue de mim para estar sempre a minha disposição ... Mas a mina ai, pode apenas querer distância de relações assim, pois sempre acaba esperando muito e iludida ... Então voltamos ao início da conversa, se ela quiser partir, a deixe partir.

Somos tomados pelo acomodamento, então sempre vamos dar segundas e terceiras chances, mesmo que seja sempre dentro da nossa mente confusa dizendo: Será que vale? 

Será que deveria continuar nesse emprego? Então te oferecem uma migalha de aumento e você tolera mais um mês, um ano, 10 anos ... Sua intenção é vender a casa e mudar de cidade, mas se contenta com uma reforma e vai tocando com a barriga. 

Não seria diferente com relacionamentos amorosos, é mais difícil chutar o balde, começar do zero, por isso relevamos e remendamos coisas que não estão nos fazendo bem. Por simples medo do desconhecido. Não é simples, eu sei, me incluo no grupo que se apega a falsas seguranças, mas meu conselho de pessoa que está dando os primeiros passos pra fora da bolha é: Que se algo está te fazendo passar mais tempo triste ou questionando se aquilo vale mesmo a pena, é porque você já encontrou sua resposta, só está tentando remendar aqui e ali para não ter de sair da zona de conforto.

Copo meio cheio ou meio vazio, questão de perspectiva...

Você é quem escolhe...

Se limitar a pensar o quanto é assustador você deixar algo que não te faz bem e ficar sem nada.

Ou pensar em recomeço, quantas vezes forem necessários, todas as folhas em branco, um caminho livre para encher de experiências e sensações completamente novas.

  • Share:

VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM

0 comentários